Representação gráfica no Revit

Portal BIM Sem categoria

Uma das maiores dificuldades de quem está começando a trabalhar com o Revit é fazer com que a representação gráfica dos seus projetos alcancem o mesmo nível que os seus antigos projetos no CAD. Muitas pessoas abandonam o Revit por considerar que o programa é muito rígido e não permitir que o usuário o configure da forma desejada, o que é totalmente equivocado. Pelo contrário, nesse quesito a minha experiência com o Revit tem sido muito mais satisfatória que nos meus anos de AutoCAD.
O primeiro passo para ter um bom desempenho no Revit  é criar o seu próprio arquivo modelo, configurado de acordo com os seus tipos e estilos de linha, espessuras de penas, cotas, pré-carregado com as principais famílias e símbolos de anotação. Assim, toda vez que iniciar um projeto já terá tudo configurado e padronizado. Sempre que descobrir algo que vá usar repetidamente, lembre-se de carregar no arquivo modelo.

Vá em R>Novo>Projeto e escolha “Modelo de projeto”. Parece igual um arquivo normal, mas possui extensão .rte e é ele que você vai selecionar nessa mesma caixa de diálogo quando criar um novo projeto.

Em seguida vamos configurar os “Estilos de objeto”, “Espessuras de linha” e “Estilos de linha”. Tome um tempo para analisar detalhadamente essas opções que assim você dominará bem como o Revit irá representar os objetos. O arquivo modelo padrão do Revit não me atendia muito bem, então eu resolvi reconfigurar completamente as espessuras.

Veja acima que o Revit caracteriza as espessuras com números, que vão de 1 a 16, que variam de acordo com a escala do projeto. Isso é excelente, pois automatiza a mudança de penas de acordo com a escala. Tem muitos escritórios que tem apenas uma ou duas configurações de penas, e quando fazem pranchas em escalas fora do habitual não têm um resultado muito bom. Eu sugiro o seguinte: imprima sua tabela atual de penas, liste as espessuras que você usa, em qual escala ela é usada e para quê. Assim você pode configurar o seu arquivo com as espessuras que utiliza. Por exemplo, comecei com as de 1:50 e extrapolei usando o bom senso as espessuras para as demais escalas que não tinha uma configuração.

Os números das espessuras (1 a 16) são usados na configuração de “Estilos de objeto” e “Estilos de linha”. Por exemplo, observe que o item “Paredes” usa, no meu modelo, a espessura 7 (que na escala 1:50 vai ter espessura 0,50 mm) em “Cortar” (objeto cortado). Então o que você deve fazer é analisar cuidadosamente cada elemento, ver que espessura você dava a ele no CAD e definir esta espessura no Revit. Aqui, é preciso definir a espessura de cada elemento e sub-elemento quando cortado e em “Projeção” (objeto em vista). Pra facilitar, observe que o Revit põe em “Projeção” a espessura 1, logo use ela como ponto de referência na configuração de espessuras. No meu caso, por exemplo, coloquei na espessura 1 (para escala 1:50) 0,10 mm.
Depois das espessuras configuradas, parta para configurar os “Padrões de linha”. Siga o mesmo raciocínio, observando os seus projetos no CAD e fazendo os ajustes necessários no Revit.
Esse processo é trabalhoso mas tem grandes benefícios. O primeiro é que nunca mais você vai precisar fazer isso de novo, já que agora seu arquivo modelo está configurado. O segundo é que você vai gravar os tipos de espessura para cada escala e terá visualizado a lista completa dos elementos. E isso é fundamental para dominar a representação gráfica no Revit.